Educação Ambiental Geral

Concurso Pegada Ecológica

O concurso, criado pela Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal em parceria com a Câmara Municipal de Setúbal, com financiamento europeu no âmbito do programa PO SEUR, através do Portugal 2020, procura e premeia projetos inovadores e ilustrativos no âmbito das alterações climáticas.

Focado na temática da pegada ecológica, a iniciativa desafiou as equipas concorrentes a apresentar propostas que respondam da melhor forma a questões relacionadas, por exemplo, com o impacte para o planeta gerado pelo vestuário e alimentação de cada pessoa ou como é que ações, individuais e coletivas, podem restaurar o equilíbrio dos ecossistemas que sustentam a vida na Terra.

Contou ainda com o envolvimento do Serviço Municipal de Proteção Civil e Bombeiros, na promoção da participação cidadã perante as alterações climáticas pelas quais o planeta está a atualmente a atravessar.

Rosália Santos, que no ano letivo passado, altura em que decorreu o concurso, era docente do 3.º ciclo do ensino básico na Escola Secundária Sebastião da Gama, foi a concurso com um projeto desenvolvido pelos alunos das turmas de 8.º ano.

O projeto vencedor contemplou ainda ações desenvolvidas em dez disciplinas do currículo, dinamizadas por 15 docentes e por parceiros internos, como a biblioteca escolar, e externos, do tecido empresarial envolvente, ADP e Mediamark, Emepoc, Museu Oceanográfico Luiz Saldanha, MARE – Centro de Ciências do Mar e do Ambiente e Centro de Formação Desportiva de Atividades Náuticas de Setúbal.

O prémio do concurso “Pegada Ecológica”, cem euros em cartão Fnac, foi entregue a Rosália Santos no dia 11 de setembro, pela vereadora do Ambiente da Câmara Municipal de Setúbal, Carla Guerreiro, e pelo professor Pedro Felício, da Escola Superior de Educação do Instituto Politécnico de Setúbal.

As ações do projeto resultaram na construção e decoração de um placar com notícias sobre problemáticas ambientais e biológicas, na construção de um compostor onde serão depositados os resíduos provenientes da horta e jardins e, se possível, também dos verdes da cantina escolar, e na montagem da exposição “O sombrio…futuro dos oceanos”, que representa o mar numa dimensão submersa, convidando o visitante a experienciar a paisagem marítima na sequência de uma catástrofe ecológica.

Os alunos foram ainda desafiados a calcular a sua pegada ecológica e os resultados foram utilizados nas aulas de matemática, para explorar conteúdos na área de estatística e construção de gráficos.

Foram igualmente estudados textos e vídeos de educação ambiental nas várias línguas do caderno escolar e foi desenvolvida uma atividade de ligação entre a arte e a temática dos 3R’s, sempre com o objetivo de sensibilizar todos os estudantes.

Este projeto contou com a participação de 5 turmas, num total de 111 alunos, que trabalharam sobre o tema da sustentabilidade ambiental e em particular na forma como as opções do cidadão comum deixam impactos no planeta, ou seja, a sua pegada ecológica.